COVID-19: Novo Coronavírus, informe-se sobre como evitar a contaminação do vírus.

O surto do covid-19, doença causada por um novo tipo de coronavírus, dá sinais de retrocesso na China, mas avança no restante do mundo, inclusive no Brasil. Confira, neste artigo, tudo o que você precisa saber sobre a doença:

Não é de hoje que nossa sociedade convive em meios á vírus ou pragas, o mundo já enfrentou pandemias maiores, como a da Peste Negra ou Peste Bubônica, que permeou pelo mundo durante o século 14, dizimando um quarto da população total da Europa (cerca de 25 milhões de pessoas). Nos dias que correm, nossa população mundial está diante de um novo vírus: O COVID-19. Á 5 dias atrás, o OMS (Organização Mundial Da Saúde) declarou pandemia desse novo vírus, o que preocupou ainda mais o mundo todo. Agora, você vai entender de onde surgiu este novo vírus vulgo Coronavírus, como ele é transmitido, e como evitar a contaminação. 

Em meados de janeiro a imprensa começou a reportar casos sobre um "misterioso vírus que causava problemas respiratórios", visivelmente retratando sobre o novo corona vírus. Porque a definição "Novo Corona Vírus"?  Acontece que, este vírus já é um antigo conhecido da ciência desde meados de 1960. De que forma o novo corona vírus ressurgiu na sociedade? Um estudo genético inicial sugeriu que o Novo Corona Vírus, tenha divergido do contato de chineses com cobras e morcegos, cientistas contestam essa sugestão. Quais os principais sintomas? Os sintomas mais comuns evidenciados por infectos da doença são: febre, tosse e falta de ar. Fortes dores de cabeças e musculares, bem como confusão mental, irritação na garganta e pneumonia multipla, que afeta os dois pulmões. Como a transmissão do vírus pode se dar?  Por meio de tosse ou espirro, contato pessoal próximo como toque ou aperto de mão. Contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido então de contato com a boca, nariz ou olhos.

 O ministério da saúde publicou uma matéria com medidas para enfrentar a doença, aqui no Brasil onde se há estima de 34 casos de acordo com próprio orgão. “Não há uma regra única para todo o país. Cada região deve avaliar com as autoridades locais o que se deve fazer caso a caso. Neste momento, nós não temos o Brasil inteiro na mesma situação, por isso é importante analisar o cenário de casos e possíveis riscos”, destacou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson de Oliveira. Portanto, estima-se que toda a população siga atentamente as seguintes orientações:

  •  Recomenda-se medidas básicas de higiene, como lavar bem as mãos (dedos, unhas, punho, palma e dorso) com água e sabão, e, de preferência, utilizar toalhas de papel para secá-las.
  • Para a limpeza doméstica recomenda-se a utilização dos produtos usuais, dando preferência para o uso da água sanitária (em uma solução de uma parte de água sanitária para 9 partes de água) para desinfetar superfícies.
  • Utilizar lenço descartável para higiene nasal é outra medida de prevenção importante.
  • Produtos de higiene  devem ser cadquiridos e armazenados como uma medida de prevenção.
  • Cobrir o nariz e a boca com um lenço de papel quando espirrar ou tossir e jogá-lo no lixo.
  • Evitar tocar olhos, nariz e boca sem que as mãos estejam limpas.

  • Esterilizar o telefone celular, com um pano umido á alcool em gel.
  • Evitar aglomerações.
  • Evitar sair de casa se estiver com algum dos sintomas.
  • Deve-se informar sobre os métodos de prevenções e passar informações corretas.   

Como as pessoas com sintomas do virus devem proceder? Primeiramente, manter a calma. Quem não teve contato com um possível transmissor não deve temer. Provavelmente é um resfriado ou um outro tipo de gripe. Se há histórico de ligação com uma região contaminada, procure um hospital. Os médicos orientarão sobre os passos seguintes. É importante enfatizar que NÃO há a existência de teste caseiro para o novo corona vírus.

A taxa de letalidade do vírus é considerada baixa (entre 2% e 3% segundo a OMS), mas o número sobre para 8% em pacientes de 70  á 79 anos e chega a 15% em pacientes com mais de 80 anos). O ministério da saúde acredita que se as diligências forem tomadas, os casos certamente irão passar a reduzir, intentando que a forma mais eficaz de se proteger é manter bons hábitos de higiene e seguir as recomendações. 

_________________________________________________________________________________________________

Texto informativo elaborado por: Marcus Martins. RJ - Rio De Janeiro - Marcus